Klaatu Barada Nikto

os vigilantes (anjos ou alienígenas?)

donos do olho

sempre alerta (triangular, triangulado, triangulação)

deram ideia a George Orwell

 

mas antes disso

influenciaram os maçons

 

mas antes disso

ajudaram a criar os iluminati

 

mas antes disso

fizeram as primeiras abduções com os homens primitivos

 

ao longo de nossa História

eu não sei quem ganhou e ganha com as guerras e com as mortes

se são os vigilantes ou se é o homem

 

eu só queria que os vigilantes

me dessem potência na voz

de 10 bilhões de decibéis

para poder gritar para o mundo todo:

Klaatu Barada Nikto!!!

 

para que os homens parem

e aprendam a lição da Doce Maria

de unir o cérebro e as mãos

por meio do coração

 

 

Edvan Moura – 2017

Síndrome do pânico

eu não saio mais da cidade

 

eu não saio mais na rua

 

não vou sair deste apartamento também

 

quer saber?

 

não vou sair de mim

não vou sair…

e nem vou entrar

 

vou ficar

pra ninguém

nunca mais

me encontrar

 

 

Edvan Moura – 2016

De-pressão

ausência de dor

ausência de amor

esse estado  de

anestesia

mas em plena vigília

 

sem sofrimento

sem alegria

não há ambição

nem revolta

nem fome

nem  plenitude

 

somente uma pressão

vai pra dentro eternamente

no peito, bem no coração

mas que coração?

 

é apenas essa pressão de dentro

a de-pressão

 

 

Edvan Moura – 2016

Ansiedade

quem possui

ansiedade

 

vê o que não aconteceu

ouve o que não vibrou sonoramente

 

sente cheiro do que é inodoro

e age duas vezes antes de pensar

 

quem possui

ansiedade

não possui

ansiedade

 

 

na verdade

é a

ansiedade

que o

possui

 

 

Edvan Moura- 2016

 

 

A minha San Junipero

um dia
eu gostaria de ir
para San Junipero
mas para a minha San Junipero

voltar para 1987
mas sendo eu em 1987
com a consciência e maturidade
que tenho em 2016

gostaria de me ver sair de casa
na noite de sábado
ouvir o barulho do portão se arrastando
para eu sair, todo arrumado e bonito!

noite quente e agradável

ver a rua sem asfalto
pisar no cascalho dela
ver as casas, as árvores, as luzes dos postes

encontrar meus dois amigos
com os quais gostava de sair
pelas ruas sem asfalto
procurando alguma festinha

festa em que a gente pudesse
entrar e dançar
apenas isso

a minha San Junipero
é bem diferente da cidade
em que vivo
e morro

lá a verdadeira
felicidade se concentra
na disposição
de querer ser feliz

quem sabe…

talvez, num outro dia no futuro,
a cidade em que vivo, hoje, não
se transforme na minha outra San Junipero?

será?

 

 
Edvan Moura – 2016